Aconteceu na tarde desta segunda-feira (10) na Fundação Inova a primeira Rodada de Negócios do Pontal do Paranapanema. O evento faz parte das ações do Programa Cultivando Negócios do governo de São Paulo, por meio da Secretaria da Justiça e Cidadania e a Fundação Itesp (Instituto de Terras do Estado de São Paulo).

­­­

 

Durante a apresentação, o diretor executivo da Fundação Itesp, Claudemir Peres, explicou que o objetivo da ação é colocar frente a frente produtores rurais e empresas cadastradas no programa para que comecem uma aproximação, visando à comercialização dos alimentos e produtos dos assentamentos rurais.

 

Para comercializar a produção, foi criada uma plataforma digital www.cultivandonegocios.sp.gov.br , que, por meio das cadeias produtivas mais significativas de cada região, é feito o acesso direto entre produtores e compradores. Por sua vez, o comprador [de pequena ou grande empresa] que tiver cadastrado, é reconhecido com o denominado “Selo de Cidadania”, identificando-o como um incentivador da agricultura familiar.

 

Em busca do desenvolvimento regional, o Programa Cultivando Negócios garante o escoamento da produção agrícola, facilita a comercialização, aumenta a renda das famílias, e intensifica a participação dos produtores nas compras públicas. Basicamente, vendedores e compradores publicam anúncios. Havendo interesse, as partes se comunicam e acertam o negócio.

 

O analista de negócios do escritório regional Rodolfo Antônio Facchiano salientou que o Sebrae possui algumas ações específicas para capacitar o produtor rural, a fim de levar empreendedorismo e gestão para as propriedades rurais. “Essas ações vão de encontro com o Programa, pois o produtor estará melhor capacitado para negociar e atender os potenciais do comprador”, disse.

 

Registro

 

Em 2019 foram feitas audiências públicas nos assentamentos regionais para que se conquiste avanço na legislação estadual. “Atualmente, os produtores recebem uma permissão de uso para explorar, no entanto, não possuem registro das terras. Por isso, foi iniciado um processo de titulação desses assentamentos. E obtivemos na semana passada a grata informação da Procuradoria Geral do Estado de que está autorizada a Lei de Titulação dos Assentamentos Estaduais”, frisou Claudemir Peres.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *